Criai Paraná 2019 | Todos os direitos reservados.

  • Criai Paraná

Crianças com mais de 12 anos são maioria em abrigos do Paraná

Atualizado: 28 de Mar de 2019


A Comissão Permanente de Defesa dos Direitos da Criança, do Adolescente, do Idoso e da Pessoa com Deficiência (Criai), presidida pelo deputado estadual Cobra Repórter, está preocupada com a quantidade de crianças com mais de 12 anos que estão em abrigos do Paraná esperando para serem adotadas. Nesta terça (20), o presidente da Criai recebeu os promotores de justiça David de Aguiar e Mariana Bazzo que vieram tratar deste assunto.


Segundo dados do Conselho Nacional de Adoção (CNA), são 9.410 crianças e adolescentes em casas de acolhimento espalhadas pelo Brasil aptas para adoção e 999 no Paraná. O Paraná é o 4º Estado com mais crianças e adolescentes para adoção; só fica atrás de São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Das 999 crianças e adolescentes, cerca de 40% tem mais de 12 anos segundo o Ministério Público do Paraná. Em Curitiba, são 497 crianças e adolescentes acolhidos nas 22 casas abrigo da capital. Destas, 123 meninos e 110 meninas já ultrapassaram os 12 anos.


Os promotores de justiça David de Aguiar e Mariana Bazzo disseram que os números são altos já que, a partir dessa idade, as chances de adoção são mínimas. Eles estiveram no gabinete para se reunir com o deputado estadual Cobra Repórter e integrantes da Criai para discutir ações na tentativa de reverter essa triste realidade.


A promotora Mariana Bazzo afirmou que as crianças com mais de 12 anos que vivem em abrigos, muitas vezes, acabam indo para o caminho da marginalidade, drogas e prostituição no decorrer da adolescência. “Temos que criar meios de minimizar os efeitos negativos dessa ausência de carinho, amor… de família! A situação chega fora de controle em razão de uma institucionalização de longo prazo, da falta de cuidado individualizado, da autoestima prejudicada e da dificuldade de interação social”, explicou a promotora.


O promotor David de Aguiar destacou que o apadrinhamento pode ser uma solução! E um projeto que já existe, o “Padrinho Torcedor” do Clube Atlético Paranaense, tem ajudado nisso. Ele existe graças ao apoio das Promotorias de Justiça e Juventude de Curitiba e de Araucária, na Região Metropolitana. “O projeto foi lançado com o objetivo de impulsionar o apadrinhamento de crianças e adolescentes que vivem em instituições de acolhimento” disse o promotor David de Aguiar.


Para participar, ele explicou que é possível escolher entre as diferentes modalidades de apadrinhamento, como o afetivo, em que se visita o afilhado regularmente, proporcionando uma relação de família e de troca de afeto. E o provedor, em que é dado suporte material ou financeiro, como o custeio de cursos profissionalizantes.


Para apadrinhar, é necessário ter disponibilidade para participar ativamente da vida do afilhado, ter mais de 18 anos e ter, pelo menos, 16 anos de diferença com a criança ou adolescente que deseja apadrinhar. Além disso, é imprescindível a presença em reuniões com a equipe responsável pelo programa.


Dia 25 de maio é o Dia Nacional da Adoção. Aproveitando a oportunidade, a Criai está organizando ações voltadas para a comemoração da data. A comissão é formada por sete integrantes: o presidente deputado Cobra Repórter, a vice-presidente deputada Cantora Mara Lima, os deputados Alexandre Amaro, Luciana Rafagnin, Marcio Pacheco, Subtenente Everton e Luiz Carlos Martins.

14 visualizações
BOTAO DO PANICO.png
  • Facebook